Robely Borges

19 abr 2010
0

Robely Borges

    “Quem sabe concentrar-se numa coisa e insistir nela como único objetivo, obtém, ao fim e ao cabo, a capacidade de fazer qualquer coisa.” É com essa frase de Mahatma Gandhi, que iniciamos a história da baiana Robely Borges de Barros Santos Carneiro.

    Coordenadora Estadual da Moradia e Cidadania/BA Robely Borges, 49 anos, natural de Salvador começou como voluntária e, há sete anos, trabalha fazendo a diferença em comunidades de baixa renda. “Acho que fazer um trabalho social é uma experiência que todas as pessoas deveriam ter em suas vidas, mesmo que tenha planos diferentes.” revela Robely satisfeita pelo trabalho que realiza.

Portal da Moradia e Cidadania: Como que começaram as suas atividades como voluntária?

Robely: Em fevereiro de 2002, a partir de um teste de perfil psicológico.

Moradia e Cidadania: Qual a importância de desenvolver projetos sociais em comunidades de baixa renda?

Robely: Ajudar a reduzir as desigualdades sociais, contribuir para o desenvolvimento de pessoas com pouca ou nenhuma oportunidade.


Moradia e Cidadania: O que te motiva a continuar com o trabalho social?

Robely: Ver o resultado do esforço na mudança de vida das pessoas.


Moradia e Cidadania: Há quanto tempo é Coordenadora Estadual e como você, voluntária, avalia o trabalho da Moradia e Cidadania?

Robely: Há quase sete anos. A Moradia vem avançando seus propósitos e práticas e se firmando no Terceiro Setor de forma mais consolidada.


Moradia e Cidadania: O que uma pessoa precisa para ser voluntária?

Robely: Desprendimento no propósito de fazer as coisas acontecerem independente do retorno financeiro pessoal, e firmeza em prosseguir os resultados desejados no beneficiário final (pessoas, comunidades).


Moradia e Cidadania: O que mudou na sua vida e na vida das pessoas de baixa renda que são
atendidas?

Robely: Percebi que nem só de pão vive o homem. 

Moradia e Cidadania: Qual a coisa de maior valor que você aprendeu com o trabalho voluntário?

Robely: Aprendi que todas as pessoas têm valor e potencial para mudar o mundo.

Moradia e Cidadania: Na sua opinião, falta alguma coisa para que o trabalho que você desenvolve em parceria com a Moradia e Cidadania seja ainda melhor?

Robely: Disponibilidade de tempo para me concentrar nos desafios da ONG.


Moradia e Cidadania: Qual é a mensagem que você gostaria de transmitir às pessoas que têm vontade de ajudar as pessoas de baixa renda?

Robely: Que esta atividade é mais que uma realização pessoal, é uma necessidade revelada da sociedade mundial.


Moradia e Cidadania: Quais seus projetos para o futuro?

Robely: Dedicar-me exclusivamente ao terceiro setor.


Moradia e Cidadania: Para você, qual a importância da inserção dos empregados na Caixa nas ações da ONG?

Robely: Importantíssima, se quiserem manter a vinculação da ONG, pois o mundo lá fora deseja contribuir e, muitas vezes, não encontra em outras ONG’s com o suporte que a Moradia disponibiliza a seus voluntários.


Moradia e Cidadania: Relate um pouco da sua trajetória na causa social.

Robely: Comecei a partir do resultado de uma análise de perfil psicológico, fui me afeiçoando e sentindo-me cada dia mais responsável pelo trabalho iniciado.


Moradia e Cidadania: Relembre um fato marcante na sua trajetória social e o que mudou em sua vida após o acontecimento.

Robely: Um fato só não, cada vez que vejo um dos jovens da comunidade trabalhando, tendo uma profissão, isto me refaz do cansaço que o dia-a-dia provoca, e retomo os sonhos como no primeiro dia.

Categorizados em:

Deixe uma resposta